domingo, 31 de agosto de 2014

Marina: arco e flecha

* Elson Martins

Marina Silva: "Todo partido tem em seus quadros pessoas
boas e más" (Foto: Ernesto Rodrigues/Agência Estado)



Se tivesse lido o poema “Arco e Flecha”, de autoria da candidata a Presidência da República Marina Silva, do PSB/Rede Sustentabiidade, o âncora do Jornal Nacional da Globo, Willian Bonner, teria errado menos quando a entrevistou quarta-feira passada. Aliás, ele e também Patrícia Poeta, a quem Marina provocou dizendo que conhecia pouco de Amazônia.

Do arco que empurra a flecha,
Quero a força que a dispara.
Da flecha que penetra o alvo
Quero a mira que o acerta.

Aí está uma primeira lição. A força da Marina, que não é pouca, vem da consciência de outro mundo, de uma natureza desafiadora, de uma coragem pouco usual nos espaços ditos civilizados. Lá, no adentrado da mata acreana, a sobrevida vale um marco civilizatório.

Do alvo mirado
Quero o que o faz desejado.
Do desejo que busca o alvo
Quero o amor por razão.

Tudo parece fluido e incerto, porque é nisso que paira a beleza, a paz, a harmonia entre as pessoas, os animais, os vegetais. Marina quer, antes de tudo, saber o que faz o alvo desejado. E qualquer código antecipado atrapalha. Atrapalha o fluir do desejo que procura no alvo o amor por razão.

O jornalista Bonner, que com sua arrogância cultural mais parece um delegado de policia de periferia, fica indócil, querendo esmagar o que não reconhece. E Marina percebe sua aflição, aproveita e se vira pra câmera, para falar diretamente ao povo brasileiro. Ela propõe uma “politica nova” que não se guia por siglas suspeitas, mas por pessoas: “Todo partido tem em seus quadros pessoas boas e más” – diz. Ela não vê vantagem em apartar pessoas de diferentes partidos que querem a mesmo coisa pelo bem do Brasil.

Bonner e Patrícia , aparentemente, não concordam com isso. Ou não entendem a grandeza desse sentimento.

Sou o arco, sou a flecha,
Sou todo em metades,
Sou as partes que se mesclam
Nos propósitos e nas vontades.

Quando a dupla entrevistou Dilma Rousseff, do PT, uma semana antes, a postura policialesca foi igual, mas as respostas não tinham a mesma sabedoria das de Marina Silva. Talvez porque Dilma não seja “metades que se mesclam” e por isso mostrou-se vulnerável à dupla de inquiridores. Também porque, por trás da TV Globo, tão bem representada pela dupla, rosna um monstro capitalista com ambições desvairadas, pronto para eliminar discordâncias.

É esse quadro que expressa o poder republicano brasileiro. Sua toca fica no eixo Sul –Sudeste- Centro-Oeste. Lá ele se alimenta de dólares, intolerância, disputas e ganâncias. Num processo eleitoral como o de outubro de 2014, a personagem Marina destoa e ameaça, como, aliás, as pesquisas feitas recentemente apontam. Na última, divulgada na quinta-feira, 29, Marina empata com Dilma Rousseff e deixa o candidato preferido (do monstro) na rabeira.

Num eventual segundo turno, Marina bateria Dilma, com 10% de vantagem. Mas Marina e Dilma apresentam alguma semelhança,  poderiam até se tornar parceiras por um mundo melhor, no mesmo lado da boa política.

Ainda assim, Marina e aqueles que apostam nela, em todo o país, preferem a experiência nova, dita “almatica”, para questionar as verdades propaladas até aqui em economia, cultura, desenvolvimento etc. Aguardam mentes mais abertas e corações que enxergam as partes invisíveis da sociedade. Ou seja: melhor apostar na liberdade e na sutileza mais fecunda das pessoas.

Sou o arco por primeiro,
Sou a flecha por segundo,
Sou a flecha por primeiro,
Sou o arco por segundo.

(poema Arco e Flecha, de Marina Silva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não serão moderados, garantimos a liberdade de discordâncias, porém esperamos bom senso dos leitores e repudiamos xingamentos de qualquer espécie nas discussões sobre o conteúdo do blog ou comentários postados.