quarta-feira, 1 de julho de 2009

Amizade no jornalismo

Rafael Guimaraens, Elmar Bones, Rosvita e Trindade foram presos
O alerta veio por e-mail de Genebra, terra dos antigos wikings, onde vive a jornalista amapaense Maracimoni Oliveira recém-casada com o diplomata moçambicano Carlos Lopes:

“Elson, hoje (19 de junho) soube de uma noticia ruim sobre nosso amigo Trindade”.

Quase ao mesmo tempo, outra jornalista amapaense, Andréa Zílio, que trabalha na TV Aldeia em Rio Branco (Acre) me acionou por telefone perguntando como poderíamos ajudar.

Trindade (Osmar Bécio Trindade, 72 anos) é um jornalista gaúcho com história exemplar. Nos anos 1970 foi presidente de uma Cooperativa de Jornalistas do Rio Grande do Sul e dirigiu o Coojornal, nanico que bateu de frente com os militares no poder. Foi preso junto com outros companheiros de redação, depois se exilou em Moçambique, África, onde permaneceu até 1999. De volta ao Brasil, editou a Folha do Amapá, jornal que ajudei a fundar em 1991 e parou de circular em 2006.

Avesso a incomodar mesmo amigos e parentes ele encontrava-se há dois meses internado num hospital público de Brasília, com câncer no fígado e anônimo, ocupando uma das camas da enfermaria 505 do Hospital Regional Asa Norte. Com os pés inchados, não podia mais andar e estava há três dias sem poder tomar banho.

Foi descoberto nessa situação no começo da semana, por acaso, por um quarto jornalista, Tagaha, que mora em Belém. Tagaha ligou para seu telefone celular, mas quem atendeu foi uma enfermeira informando de sua internação. A partir daí se estabeleceu uma rede solidária via internet para socorrê-lo.

A solidariedade fluiu por causa da história comum que um grupo de profissionais da imprensa viveu em Macapá produzindo a Folha do Amapá, jornal que funcionou como uma escolinha de jornalismo para jovens que iniciavam na profissão tendo eu e Trindade como mestres..

Mara prossegue no e-mail:

“Quando estive em Brasília em janeiro, de passagem do Amapá para Genebra, eu e Carlos ficamos uma tarde com ele. Pareceu-me muito magro e abatido. Ele me disse que estava fazendo exames porque sentia muitas dores no estômago e achava que era gastrite. De lá para cá, não deu mais noticia. Estou angustiada, até porque ele está sozinho em Brasília, o irmão que morava com ele mudou-se para o Rio de Janeiro. Trindade diz que está esperando o resultado de exames e o quadro do médico para que seja transferido para Porto Alegre. Se você puder, liga pra ele”!


Liguei, antes, para outro militante da imprensa alternativa, o fotógrafo baiano-gaúcho Daniel de Andrade que no ano 2000 esteve em Rio Branco e produziu comigo um álbum fotográfico do Velho Mercado da Epaminondas Jácome, antes de sua restauração. Morando atualmente em Porto Alegre, Daniel estave no exílio junto com Trindade e conhece os amigos influentes que ele teve no passado: Pedro Simon, Tasso Genro, Olívio Dutra, Dilma Rousseff...a quem passou recados pela internet. Até sexta-feira passada, minha caixa de e-mails já contabilizava mais de 80 e-mails da “rede” que se formou com certa espontaneidade.

Andréa Zílio assumiu o apoio a partir do Acre. Localizou os dois filhos de Trindade – Márcio e Técio – que viajariam a Brasília para providenciar a remoção do pai para Porto Alegre; consultou a TAM sobre a viagem e disponibilizou contas bancárias para receber doações.

A empresa aérea informou que seriam necessários nove acentos no Vôo 3073 de sábado (27), com direito a três acompanhantes, ao custo total de R$ 8 mil. A reserva teria que ser confirmada até a manhã do dia 25, e seria preciso, ainda, avaliação médica da TAM, formulário preenchido pela família, autorização e carimbo do médico (Pedro) responsável pelo paciente.

Enquanto as doações apareciam, Jacques, um “irmão de fé, camarada” do Trindade antecipou seu cartão de crédito para assegurar a compra das passagens. Seria reembolsado depois. No corre-corre, alguém otimista sugeriu tentar a FAB para fazer o transporte de graça, uma tarefa para os amigos de grosso calibre com acento no Planalto Central. Afinal, como moradores de Brasília deviam estar a apenas alguns quarteirões do hospital. Daniel e sua companheira Stella Petrasi entram em acão.

De sua trincheira em Genebra, Mara ajudava a mobilizar o lado amazônico do apoio. Mais gente da extinta Folha do Amapá entraria em campo: Haracelli e Araciara abriram uma corrente de orações na internet. Lea, Danielle Albuquerque, Vássia, Márcia, Chico-Terra, Alcilene, Meton e Solange, entre outros, participavam da coleta ou intensificavam a “rede”. O casal Capiberibe (deputada federal Janete e Capi) depositou R$ 500,00 e acompanhou a solução da FAB que acabou se confirmando.

Em Brasília, Adaires e Bernardo passaram a cuidar do paciente. Ela levou seu notebook para ler os e-mails enviados e também se encarregou de lhe dar banho. Bernardo procurou animá-lo informando-o das providências.

Trindade não sabia, mas o médico que o atendeu confessou a seus amigos que poderia morrer a qualquer momento, ou seja, seu estado era terminal. Na verdade, o médico resistiu à idéia de deixá-lo viajar. Com o calor humano recebido, entretanto, Trindade não pensava em outra coisa: Porto Alegre seria a cura.

Quanto a mim, rezo por um final feliz e me sinto orgulhoso de ver como jovens jornalistas com quem trabalhei em condições financeiras desvantajosas e situação de risco, se revelaram tão solidários, éticos, desprendidos e humanos.

Acho que a imprensa do tipo que fizemos na Folha do Amapá criou algo bom que permanece neles. Esse jornalismo com compromisso social e boa dose de ideologia, acredito, vai encontrar sempre boa acolhida na consciência dos leitores e dos que fazem jornal.

CORREIO

“Elson Martins:
Que bom ter por perto a Andréa. Mais solidária que ela, só você! Como já sabemos, assim como o Varadouro, o Coojornal fez parte da nossa resistência à ditadura militar. O Coojornal contou com apoio do Simon, Dilma, Olívio Dutra, Jair Kriscke, Tarso Genro etc. Os jornalistas que lutaram contra a ditadura contavam com apoio desses honrados políticos. Trindade foi presidente da Cooperativa de Jornalistas e editor do Coojornal. Em julho de 1981, após a publicação de um relatório secreto do III Exército, quatro companheiros - Rafael Guimaraens, Elmar Bones, Rosvita e Trindade foram presos. Após o relaxamento da prisão, fiz contato com o pessoal da FRELIMO-Frente de Libertação de Moçambique - e com Licinio Azevedo, jornalista e cineasta para contratá-lo. Trindade passou mais de 1O anos exilado em Moçambique, onde pegou várias malárias. Depois você e Capiberibe o convidaram para trabalhar na Folha do Amapá. Pode dispor das fotografias do índio Trindade. Claro, cite o autor das fotos”. Daniel de Andrade (http://www.saitica.blogspot.com/)

-----------------------
“Caro Elson,
Ontem (quarta) tive boa noticia. O deputado Rodrigo Rollemberg (PSB) entrou em contato com o Ministro Saito, da Aeronáutica, e obteve resposta positiva: um avião da FAB equipado para as circunstâncias vai levar nosso amigo Trindade a Porto Alegre. Talvez ele embarque amanhã (sábado) depende do entendimento entre o médico da Aeronáutica e do hospital onde ele se encontra. Independente dessa solução, acho que devemos continuar a coleta de fundos. A Janete fez um depósito de R$ 500, 00 na conta da Andrea. Eu também gostaria de poder contribuir, porém, no momento estou sem fonte de renda; pior, com minha conta bancária bloqueada pela justiça, só porque chamei um ladrão de dinheiro público de ladrão. Vamos torcer pelo Trindade: enquanto há vida, há esperança. Abraço, Capi (João Alberto Capiberibe, ex-governador e ex-senador do Amapá, em 24/6/09).
-------------------------
Amigos:
Trindade embarca rumo à Porto Alegre às 7h, horário de Brasília, num avião da FAB.
Abraços! Andréa ( ( TV Aldeia - Sistema Público de Comunicação).

--------------------------“
“Olá, Andréa e Elson:
Tudo certo para a remoção do Trindade. Vamos acompanhá-lo de perto e mandar notícias aos amigos do norte. Mais uma vez muito obrigado pela mobilização, carinho e amizade. A gauchada toda agradece a volta do índio missioneiro! Grande beijo”. Daniel e Stella (www.saitica.blogspot.com).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não serão moderados, garantimos a liberdade de discordâncias, porém esperamos bom senso dos leitores e repudiamos xingamentos de qualquer espécie nas discussões sobre o conteúdo do blog ou comentários postados.